Actividades

HOMEEnglish
Actividades

Exposição «Onde os nossos livros se acabam, ali começam os seus...» – O Japão em fontes documentais dos séculos XVI e XVII

De 16-07-2015 a 15-10-2015


Biblioteca Nacional de Portugal | Museu do Livro | Entrada livre



O significado de termos como Europa, Japão e China, assim como a sua respetiva localização geográfica, não eram de forma alguma evidentes nos séculos XVI e XVII. Foi este o período em que intelectuais, mercadores, cartógrafos, missionários cristãos, monges budistas e letrados confucionistas, de origem europeia, japonesa e chinesa, tentaram pela primeira vez associar estes vocábulos de forma inteligível, tanto do ponto de vista geográfico como civilizacional. O Japão, muito particularmente, não esteve incluído na imagem europeia do mundo até meados do século XVI, nem como espaço, nem como cultura.

A chegada de um junco chinês por volta de 1542-1543 à ilha de Tanegashina, no sul de Kyushu, com alguns portugueses a bordo, levou à fixação deste povo em território nipónico. Alguns anos mais tarde, no verão de 1549, o jesuíta Francisco Xavier chegava noutro junco chinês a solo japonês, iniciando assim a missão cristã no Japão. A partir deste momento, estes estrangeiros do Sul da Europa (portugueses, espanhóis e italianos) foram denominados de nanban-jin, ou pessoas (jin) bárbaras (ban) [vindas] do sul (nan), seguindo a tradição chinesa de considerar todos os estrangeiros como bárbaros. O termo nanban acabou por se aplicar a diferentes contextos ao longo dos séculos: nanban bijutsu (arte nanban), nanban bunka (cultura nanban), nanban bungaku (literatura nanban), nanban boeki (comércio nanban). 

Através de um valioso conjunto de documentos que inclui mapas, vistas de cidades, cartas de padres jesuítas, livros e objetos, esta exposição visa explorar os acontecimentos articulados e polifónicos dos primeiros encontros entre o Japão e a Europa. 

O título da exposição é retirado de forma livre do capítulo Do escrever dos japões e de seus livros, papel e tinta e cartas, da obra do jesuíta português Luís Fróis (1532-1597), Tratado em que se contêm muito sucinta e abreviadamente algumas contradições e diferenças de costumes entre a gente de Europa e esta província de Japão, escrita em 1585. Este texto, estruturado em modo de comparação e de confronto entre as culturas europeia e japonesa, revela a sensibilidade e capacidade de observação de Fróis, convidando-nos a recordar que a alteridade, mesmo a mais extrema, não exclui a possibilidade de nos reconhecermos e respeitarmos como parte de uma mesma humanidade.

Exposição realizada no âmbito do Projeto Interações entre Rivais: a Missão Cristã e as Seitas budistas no Japão durante a presença Portuguesa (c.1549-c.1647) (PTDC/HIS-HIS/118404/2010).





Coordenação



Organização
- CHAM / FCSH/NOVA | UAc
- BNP

Patrocínio
- Jorge Welsh




Mais Informações | For more information(Web)